No último artigo vimos 3 características de uma nova criatura, segundo a Bíblia. O nascido de Deus é alguém justificado que vive na justiça do seu Pai, o Deus justo. É nova criatura que não vive na prática do pecado e que ama com o amor de Deus, não apenas ao próprio Deus, mas uns aos outros. O amor é a marca registrada do discipulado cristão.

Se somos filhos de Deus somos filhos do Amor. Deus é Amor e amou o mundo, mas não ama o pecado do mundo. Se nós realmente nascemos de Deus, então vamos amá-Lo. E não só isso, vamos amar seus filhos também. É bom notar aqui que devemos amar todos os crentes, e não apenas aqueles com quem temos uma certa comunhão pessoal.

O apóstolo João afirmou que todo aquele que crê que Jesus é o Cristo é nascido de Deus; e todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido.1 João 5:1. Aqui fica claro uma quarta característica: crer que Jesus, o filho do Homem, é o Cristo, o Filho de Deus. Esta pessoa crê que Deus se encarnou no Jesus histórico.

Sim, só um Deus encarnado poderia assumir a redenção do Seu povo. Segundo Alexander MacLaren,

“a cruz é o centro da história do mundo. A encarnação de Cristo e a crucificação de nosso Senhorsão o centro ao redor do qual circulam todos os eventos de todos os tempos.”

Se Cristo não fosse crucificado no Jesus histórico não haveria a menor possibilidade da salvação do pecador, pois este precisa morrer juntamente com Cristo.

Crer que Jesus é o Cristo é o cerne da fé cristã. Apolo pregava Jesus com certa precisão, mas quando Aquila e Pricila o viram pregando, expuseram com mais exatidão a realidade da fé cristã, o que fez com que o fervoroso Apolo saísse dali com outra ênfase em sua mensagem, porque, com grande poder, convencia publicamente os judeus, provando, por meio das Escrituras, que o Cristo é Jesus.Atos 18:28.

Martinho Lutero dizia muito bem: “o mistério da humanidade de Cristo, o fato de ele ter descido ao ponto de revestir-se de carne humana, está além de toda compreensão humana.” Mas a encarnação do Verbo é a via que nos leva ao encontro de Deus na cruz. É só aí que a humanidade pode ser reconciliada com a Trindade.

O gnosticismo tenta negara humanidade de Cristo, porque acredita que o corpo seja mau e que Cristo não veio em carne. Foi neste contexto que o apóstolo João diz: toda aquele que crê que Jesus, o homem, é o Cristo, Deus, é nascido de Deus.

Para A. W. Tozer:

” a aterradora majestade da divindade foi misericordiosamente revestida do macio invólucro da natureza humana, a fim de proteger a humanidade.”

Se eu amo ao Pai, preciso amar a Cristo Jesus a quem o Pai o gerou em carne. O espírito bom e a carne caída fazem parte do plano para a redenção do pecador. Pois, em Cristo, Deus estava reconciliando consigo o mundo, não levando mais em conta os pecados das pessoas.