28 C
Porto Velho
domingo, dezembro 8, 2019

Compartilhamento de dados financeiros com MP tem 5 votos favoráveis

Julgamento foi suspenso e será retomado nesta quinta-feira pelo STF

Cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram hoje (27) a favor da validade do compartilhamento total de dados financeiros da Unidade de Inteligência Financeira (UIF), órgão do Banco Central, antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), e da Receita Federal com o Ministério Público (MP) sem autorização judicial.  Após as manifestações dos ministros, o julgamento foi suspenso e será retomado nesta quinta-feira (28).

O julgamento começou no dia 20 de novembro. Os cinco ministros que votaram a favor do compartilhamento entenderam que o envio dos dados é constitucional e não significa quebra ilegal de sigilo fiscal.  As informações financeiras são usadas pelo MP para investigar casos de corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e movimentações financeiras de organizações criminosas.

Na semana passada, o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, relator do caso, entendeu que a UIF e a Receita podem repassar dados de pessoas e empresas ao MP, mas com algumas ressalvas.

Em seguida, o ministro Alexandre de Moraes votou favor da validade do compartilhamento total dos dados financeiros. 

Na sessão desta tarde, os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux acompanharam a divergência aberta por Moraes. 

Barroso também seguiu a maioria a favor do compartilhamento sem restrições e criticou a legislação para punição de crimes tributários. Segundo o ministro, mesmo após a condenação de quem sonega, os valores sonegados podem ser pagos e a pena substituída por multa e prestação de serviços à comunidade. “O sistema é feito para prender menino pobre”, disse Barroso.

Luiz Fux destacou que as autoridades brasileiras que combatem a corrupção necessitam do acesso a movimentações financeiras para investigar o caminho do dinheiro em casos de lavagem e terrorismo, por exemplo. “Corrupção e lavagem de dinheiro não combinam com qualquer tipo de sigilo”, justificou. 

Hoje, a praxe é que órgãos de controle como a Receita Federal e a UIF enviem ao Ministério Público Federal (MPF) relatórios sobre movimentações atípicas, que podem indicar atividade ilícita.

No caso concreto, os ministros julgam o recurso do MPF contra a anulação, pela segunda instância da Justiça, de uma condenação por sonegação fiscal do dono de um posto de gasolina em São Paulo. A investigação teve início em um relatório do Fisco repassado diretamente aos procuradores. Com o resultado do julgamento, a sentença do caso será restabelecida. 

Mais Notícias aqui

Polícia investiga quadrilha suspeita de aplicar golpes pela internet em RO

A Polícia Civil de Cerejeiras (RO), na região do Cone Sul, deflagrou no fim da tarde de segunda-feira (18) a Operação...

Saiba quais são os decretos e projetos anunciados por Bolsonaro em cerimônia dos 100 dias de governo

Jair Bolsonaro discursa em evento dos 100 dias de governo O presidente Jair Bolsonaro anunciou, nesta quinta-feira (11),...

Marinho prevê que relatório da Previdência pode ser votado até junho

O secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, estimou hoje (9), que, se o relatório do...

Últimas

Equipe do Inmetro do Rio de janeiro capacitam técnicos do Ipem de Rondônia

O Instituto de Pesos e Medidas de Rondônia (Ipem/Ro) é o órgão que fiscaliza instrumentos e processos de medição, além de...

Polícia faz operação contra milícia na Muzema, no Rio

Policiais civis fazem hoje (2) uma operação contra a milícia que atua na Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Entenda a crise na Venezuela: da reeleição de Maduro à tentativa de tirá-lo do governo

Juan Guaidó se une a militares para derrubar regime de Nicolás Maduro A tentativa de derrubar o regime...
%d blogueiros gostam disto: