Coren de Rondônia faz operação e descobre irregularidades e medicamentos vencidos nas unidades de Saúde

Operação tem como objetivo fiscalizar o exercício profissional da enfermagem nos estados de Rondônia e Acre, através de uma parceria entre os conselhos dois dois estados.

0
3

Uma operação de fiscalização do Conselho Regional de Enfermagem de Rondônia (Coren-RO) descobriu diversas irregularidades e medicamentos vencidos em unidades de saúde em Rondônia, nesta semana. Em Machadinho D’Oeste, a cerca de 300 quilômetros de Porto Velho, os fiscais precisaram atuar sob escolta policial, pois receberam ameaças. 21 municípios do estado recebem ações de fiscalização até sexta-feira (14).

Fiscais encontraram medicamentos vencidos em hospital de RO — Foto: Coren

De acordo com o Coren, o objetivo da ação é fiscalizar o exercício profissional da enfermagem nos estados de Rondônia e Acre, através de uma parceria entre os conselhos dois dois estados.

Até esta terça-feira (11) foram encontrados diversos problemas na estrutura física e limpeza das unidades. Medicamentos vencidos e armazenados de forma inadequada também estão entre as irregularidades encontradas.

Os agentes também detectaram exercício ilegal da profissão com execução de atividades que ultrapassam o limite de competência legal ou pessoas atuando sem registro, transporte de pacientes em ambulância sem a presença de enfermeiro (apenas com técnico ou auxiliar acompanhando), inexistência de comissão de ética e inexistência de enfermeiro onde são desenvolvidas atividades de enfermagem.

Em Machadinho D’Oeste, no Vale do Jamari, a equipe encontrou medicamentos vencidos e descartados de forma irregular, além de vários problemas na estrutura física do hospital municipal da cidade.

Além de analisar aspectos da execução dos trabalhos da enfermagem, e equipe do Coren está fiscalizando instituições que fazem o ensino da profissão.

Em Machadinho D’Oeste (RO), uma faculdade foi denunciada por oferecer o curso de enfermagem na modalidade à distância. Os agentes do Coren contaram com apoio da Polícia Militar durante a ação na cidade porque tinham recebido ameaça por telefone.

A presidente do Coren, Silvia Maria Neri Piedade, orienta os estudantes sobre a importância de verificar se a instituição onde faz graduação tem autorização do Ministério da Educação (MEC) para tal curso.

“Na fiscalização de polos de educação à distância nós encontramos escolas que não são regulamentadas pelo MEC, são clandestinas. Na prática esses alunos podem estar sendo enganados e no final das contas não conseguir reconhecer o registro profissional deles”, disse.

O grupo conta com fiscais e conselheiros, e esta equipe deve passar por 21 municípios de Rondônia até o fim da semana. Ao todo, devem ser realizadas 29 inspeções até a próxima sexta-feira (14).

Nessa primeira etapa são emitidas notificações e autuações aos estabelecimentos. Após o prazo estabelecido, as equipes devem retornar, e caso as irregularidades persistam, pode ocorrer a interdição ética das unidades.