Há um poder que é humano, bem capaz de fazer grandes coisas, mas não é este o poder que Jesus está se referindo. O poder humano realiza feitos notáveis na 3ª dimensão, e até mesmo nos limites imateriais da alma, porém não faz nada de cunho espiritual. O ser humano caído é muito poderoso em vários campos, mas é inválido no âmbito espiritual.

Para sermos revestidos do poder do Alto, precisamos ser desvestidos do poder humano da autoconfiança. Deus não derrama o Seu poder sobre o nosso poder. Antes de sermos investidos do poder do Espírito Santo, necessitamos ser desinvestidos de qualquer tipo de poder que nos exalte e envaideça. Não há lugar para vaidade no reino de Deus.

A obra da cruz embaixo antecede ao enchimento de cima; a morte do ego precede a vida da ressurreição; o esvaziamento vem antes da plenitude. Não há espaço para a vida do ego e a vida de Cristo, ao mesmo tempo. Se um sai, o outro entra, pois esta é a norma da vida espiritual, não mais eu, mas Cristo vive em mim. Gálatas 2:20.

Segundo John Owen, no séc 17 –

Não teremos nenhum poder de Deus, a não ser que sejamos convencidos de que não temos nenhum poder em nós mesmos.”

Assim a graça tem que desmanchar o pedestal da nossa glória, para nos encher da humildade de Cristo.

Robert Murray M’Cheyne dizia: –

Lembre-se de que Jesus por nós é toda nossa justiça diante de um Deus santo, e Cristo em nós é toda nossa força em um mundo ímpio.”

Aqui reside toda a realidade experimental da fé cristã: Jesus – na cruz – morrendo nossa morte para o ego, e Cristo vivendo Sua vida ressurrecta em nós. Deste modo perdemos nossa presunção imperial de poder e ganhamos a onipotência divina, em nossa fraqueza.

O apóstolo Paulo enfrentou um luta em sua vida, em razão de um arrebatamento até ao terceiro céu. Então lhe foi posto um espinho na carne para que não se exaltasse. Por três vezes ele ourou pedindo a extinção deste espeto de humilhação, mas a resposta do Pai foi simplesmente de eclipse total do seu ego: A minha graça é tudo o que você precisa, pois o meu poder é mais forte quando você está fraco. 2 Coríntios 12:9.

Alguém disse: deve ser todo-poderoso o poder cuja força suficiente é a fraqueza. Se não temos nenhuma poder, mas dependemos totalmente do poder de Deus, de repente nos tornamos “onipotentes”, sustentados pela Onipotência de Deus.

Na igreja, não é o poder do homem que tem valor, nem é a cultura do intelectual que sustenta a sabedoria dos santos, mas o poder soberano do Todo-poderoso. Assim, se somos fracos e dependentes do Altíssimo, estamos cheio do poder espiritual.

Amém.