Governador Coronel Marcos Rocha autoriza abrir parte do comércio em Rondônia

Para Coronel Marcos Rocha (PSL), 'a cadeia produtiva não pode parar'. Decreto de calamidade pública terá atualizações, que serão divulgadas na quinta-feira (26); estado tem 5 casos confirmados para Covid-19.

0
5

O governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (PSL), informou que parte do comércio será aberto e que apoia o presidente Jair Bolsonaro. O anúncio foi feito após o pronunciamento do presidente sobre o novo coronavírus, que pediu “volta à normalidade”, o fim do “confinamento em massa” e disse que os meios de comunicação espalharam “pavor”.

A maioria dos chefes estaduais do país decidiram manter as regras de isolamento mesmo com as afirmações de Bolsonaro. O governador de Rondônia disse que segue alinhado ao presidente da república, mas não incentiva aglomerações.

A declaração de Marcos Rocha foi dada durante uma live no Facebook para anunciar atualizações no decreto de calamidade pública, divulgado no dia 21 de março. Os acréscimos serão informados nesta quinta-feira (26).

“Não mudou o decreto, mas estamos acrescentando alguns detalhes que são importantes para a cadeia produtiva. O efeito do decreto termina na quinta que vem. Até lá vamos analisando e vendo se pode mais ajustado em maior ou menor rigor”, disse o governador, reforçando que os trabalhos de combate a pandemia continuarão.

Os serviços que irão funcionar, segundo o governador, são:

  1. Restaurantes da beira da estrada
  2. Borracharias e empresas de serviços de manutenção
  3. Hotéis (desde que o café da manhã seja no quarto)
  4. Construção civil
  5. Funerárias
  6. Escritórios de contabilidade
  7. Lojas de materiais de construção
  8. Lojas de agronegócio

“Lembrando que esses lugares com álcool em gel, máscara disponível aos que chegam”, reforçou Marcos Rocha. O governador informou que os outros serviços já descritos no decreto permanecerão fechados, como as escolas do estado. Alguns estabelecimentos tidos como essenciais, como farmácias e supermercados, seguirão abertos.

“Essas adequações são naturais. Os ajustes são apenas complementações dos elos da cadeia produtiva pensados na primeira edição do decreto sem que a gente desconfigure o que já estava posto como estratégia de enfrentamento”, ressaltou o secretário de Estado de Finanças, Luís Fernando Pereira.

Até o momento, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesau) confirma cinco casos do novo coronavírus em Rondônia.